PICO DO LOPO: No alto daquele C.U.M.E.

E foi lá que tudo (re)começou . . .
Bora retomar os trabalhos e, novamente, começando de trás para frente. Desta vez falarei sobre o Pico do Lopo, em Extrema, Minas Gerais.

O Pico do Lopo, também conhecido como Pedra do Cume, está localizado na Serra do Lopo, situada na fronteira entre as cidades de Extrema (MG) e Joanópolis (SP), Brasil. O ponto mais alto
da serra possui 1750 metros de altitude. O nome Serra do Lopo vem de Lupus (Lobo em latim) e se refere a grande quantidade de lobos que habitavam a região.

Em junho/2014 adquiri um novo celular. Um smartphone e entrei pra era do whats app. Entrando em novos grupos pelo facebook, fui adicionada a vários de mochileiros. E aí conheci uma galera
que em setembro iria passar um final de semana acampando no Pico do Lopo e o outro dia iria para a Cachoeira dos Pretos, em Joanópolis/SP. Pois bem, me juntei. E então naquele final de semana de 12 a 14 de setembro, parti para conhecer novas pessoas e novos lugares.
Após combinar os detalhes, a galera foi no esquema de caronas. Fui com o Roger que mora em Araçariguama, que pegou a Kátia que mora em Araçoiaba da Serra e que me pegou em Caucaia e todo juntos partimos para a cidade de Embu das Artes. Lá conhecemos a Drica e, para sair bem
cedinho dormimos na casa dela.  Mas antes claro, paradinha a noite para nos conhecermos melhor e tomar uma gelada.
Saímos de lá por volta das 6 e pouquinho da manhã, a caminho da cidade mineira que faz divisa com São Paulo, Extrema. Chegamos lá cedo, apesar de ter pego um pouco de trânsito na Rodovia Dom Pedro, conseguimos fazer o trajeto em menos de três horas. E já chegamos tirando fotos do portal da cidade (adoro essas imagens).
Chegando ao centrinho, passamos no centro de informações, muito bem equipado por sinal, demos umas voltinhas na cidade e enquanto esperávamos reunir o pessoal, saímos um pouco e fomos até o Parque Municipal Cachoeira do Jaguari, com entrada gratuita e um belo lugar para tirar fotos.
Depois por volta do meio dia, a galera começou a chegar. Gente do Rio, de várias cidades de São Paulo, enfim, reunimos um grupo grande de 24 pessoas. E após o almoço, partimos ao encontro da trilha. Deixamos os carros em um terreno aberto quase em frente a trilha. Apesar de ser fácil chegar, aqui que mora o perigo: há várias entradas, consequentemente saídas, então melhor ir com alguém que já conheça ou tenha
boas referências de lá.

Eu achei a trilha bem tranquila, apesar de ser uma bela subida, com alguns pontos com nível difícil, como: algumas grandes pedras que tinha que subir e/ou descer, alguns barrancos e, com certeza, muito mato. Claro que com quase 10 quilos nas costas tudo fica mais cansativo, mas em menos de três horas completamos o trajeto e já estávamos armando as barracas para subir até o Pico.

 

Lembrando-me de pegar a minha lanterna partiu mais uma trilha para chegar até o Topo. Aqui muitas pedras, com o nível de dificuldade bem maior, exigindo força e um pouquinho de coragem, mas a vista vale tudo, então com certeza você tem que enfrentar qualquer obstáculo. E que presente quando chegamos lá no topo e, que CUME, oh vista linda. O vento nem parece trazer frio, pelo contrário, parece levar todas as tristezas embora. E a noite, curtimos uma bela lua com a galera toda animada. E tudo correu muito bem neste acampamento: sem chuva, um bom vinho, todos trouxeram os comes e tudo ótimo no final.

Galera animadíssima, no alto daquele CUME
Conhecendo o povo da Aventura.
Na manhã seguinte, levantamos
acampamento e partimos para a cidade vizinha: Joanópolis, outro post com mais
fotos. 😀
Legal? Acompanhe nas redes e ajude a compartilhar:
20

3 thoughts on “PICO DO LOPO: No alto daquele C.U.M.E.

Deixe uma resposta