INTERCÂMBIO: Parte 1 – A Escolha Certa

Saiba o que precisa ser feito, escolha o país e viaje!

 Fazer um intercâmbio pode ser uma boa opção, além de viajar, você descobrirá culturas maravilhosas e aprenderá muito sobre o mundo. Veja mais detalhes.
A vida dos seres humanos é feita de escolhas. Começamos logo cedo a perceber isso: escolhemos nossos amigos, as pessoas com quem iremos nos relacionar, temos que escolher entre o certo e o errado, enfim, no meio de tantas decisões, quando estamos entrando na fase adulta, precisamos definir o nosso futuro. E aí vem aquela famosa pergunta: o que eu vou ser quando crescer?
Ter uma faculdade nos dias de hoje é algo essencial em algumas profissões. E possuir um diferencial entre muitos, será algo que te destacará no meio da multidão. Mas, realmente é muito difícil tomar essa decisão tão cedo, afinal, nem maiores de idade somos ainda, não é mesmo? Por isso que vale a pesquisa, a curiosidade, testes vocacionais, leitura e análises.
Às vezes, mesmo depois de uma faculdade, ainda não sabemos ao certo o que queremos. Um bom complemento são os cursos extracurriculares, especializações e outra alternativa é fazer um intercâmbio.
O intercâmbio é uma troca de culturas entre pessoas de diferentes culturas, em diferentes países. É um período que você passa estudando e/ou trabalhando em outro país. É um passo muito importante na vida de um estudante. Mais do que a viagem, o intercâmbio representa se tornar independente de verdade, ir atrás das coisas, obter uma grande e inusitada experiência de vida. E a principal orientação aqui, é planejar tudo com muita antecedência, principalmente nesses tempos de alterações cambiais constantes. 
Pesquisa
O primeiro passo é saber exatamente o que você quer estudar: curso de línguas, especialização, high school (ensino colegial). Identifique a área que mais gostaria de estudar e veja se ela se encaixa nos seus objetivos. Definido isso, você vai escolher o país. Depois vem a instituição de ensino (que deve estar devidamente regulamentada no país de origem) e moradia. Você pode optar em fazer todos os tramites sozinho (moradia, pagamento do curso, passagem, etc) ou escolher uma agência de intercâmbio que vê tudo para você e facilita a sua vida e, se a prioridade é economizar, vale a pena avaliar qual destino oferece um custo de vida mais baixo e não viajar nos períodos de férias escolares.
Moradia – Existem vários tipos de moradia quando se planeja fazer o intercâmbio.
Host Family – é viver por um período logo no início de sua viagem numa casa de família do país escolhido. No início é bem válido, pois você já é obrigado a falar na língua local para se comunicar. Porém, o estudante deverá respeitar os costumes e horários da “nova” família, o que restringirá um pouco a sua liberdade, por isso, que é válido fazer isso no máximo durante o primeiro mês.
Hostel – na verdade, um albergue. Parecido com os alojamentos, mas sem vínculos com as escolas.
Alojamentos Estudantis – são moradias divididas por vários estudantes de vários países e cursos diferentes. São, muitas vezes, fornecidos pelas próprias escolas onde os estudantes estão fazendo intercâmbio. Depois do período que você optou em ficar nessa acomodação, você vai atrás de uma casa ou apartamento para alugar. Dependendo das suas condições, você escolhe ficar no quarto sozinho ou divide a casa com amigos, assim divide as despesas. E ainda pode praticar o idioma entre amigos, ou colegas de outros países que podem vir a morar com você.
Trabalho
Em alguns países há programas que incentivam os jovens intercâmbistas a trabalharem no período em que não estão estudando. Em alguns, você concilia os estudos com o trabalho, ou trabalha no seu período de férias. Com certeza você ira receber autorização para trabalhar se sua documentação estiver toda em ordem.
Uma boa opção é o trabalho de aupair. O mais indicado é “pegar uma família” por meio da agência para você não cair numa roubada. E vá preparado, pois a família pode ter criança pequena, muitos filhos. E lembre-se, pelo menos de segunda a sexta você morará com eles… e de final de semana você precisa combinar como será sua folga, afinal, ficando na casa, você pode ser “convidado a trabalhar”.
E, dependendo do período que você for ficar no país escolhido, não e permitido trabalhar. Por isso, vale frisar, analise suas condições (tempo de viagem, dinheiro, interesses) e faça sua escolha.
Outras Dicas:
Plano de assistência médica – É importante ter uma boa cobertura internacional, mesmo que o país de destino não exija. Os tratamentos médicos no exterior são caros e a assistência é essencial para que o estudante esteja amparado dos casos simples, como um resfriado, aos mais complicados.
Como levar o dinheiro – É recomendável que apenas uma parte esteja em espécie. Cartões de crédito são opções seguras, mas melhor é optar pelos novos cartões de débito, que são carregados no Brasil, em reais, convertidos para a moeda do país que você optou e utilizados no exterior, neste caso o VTM (Visa Travel Money).
NOTA: Escrevi este artigo logo nos meus primeiros meses de Europa (primeiro semestre de 2009).  😉

Deixe uma resposta