CABO POLÔNIO: Preservação no Uruguai

Sossego, natureza… Rústico sim, maravilhoso, com certeza!
 
 
Quando estava montando o roteiro para as férias de 2016, tinha em mente só as principais cidades do Uruguai. Mas grande erro este meu, até porque, se a intenção é conhecer os melhores lugares, uma pesquisa se faz necessária. Então, pesquisando sobre o Uruguai, descobrio Vilarejo de Cabo Polônio. Comecei a ler mais sobre e, prontamente incluí CB na lista. Foi o primeiro lugar de fato a ser visitado.Cabo Polônio pertence ao Departamento de Rocha, no nordeste do Uruguai. Não conta com sistema de energia elétrica (muitos lugares possuem gerador próprio) e tem uma população fixa muito pequena, já que vive do artesanato, pescaria e do turismo. Declarada Reserva Natural da Biosfera pela UNESCO, este Balneário é protegido e serve de morada para muitos lobos-marinhos.

Nós chegamos a Montevideo na madrugada do dia 24 de maio de 2016. Bem cedinho já estávamos no Terminal Três Cruces e nos informamos sobre como chegar à Comunidade de Cabo Polônio. Tínhamos muitas anotações, mas nada como pesquisar na hora também. E foi uma ótima escolha! Pesquisando no local, optamos pela empresa Ruetas del Sol (bons ônibus, preço acessível e cumpriu com os horários), onde a atendente atenciosamente nos ajudou e nos explicou como seria feito o trajeto.
Comprei uma passagem de Montevideo para Castilhos (7am). E lá, peguei um ônibus (11am) que nos deixou na entrada do Parque. Na portaria, compramos o ticket do único transporte que nos leva ao vilarejo. Já que o lugar é cercado por enormes dunas de areia, os turistas chegam à Cabo Polônio por veículos 4×4 e nós teríamos que esperar pelo horário do carro por mais uns 40/50minutos, mas tinha uma argentina com sua avó por lá, que reservou antecipadamente um carro e nos ofereceu carona. Claro que aceitamos, assim chegaríamos mais cedo.
Depois de cruzar algumas dunas, o parque e passar beirando o mar, chegamos a Cabo Polônio. O atendente do Hostel, o porta-riquenho, Calleb já estava nos esperando. Muito receptivo mostrou-nos o quarto, o esquema do local e nos contou um pouco sobre sua história de vida: ele já tinha morado nos Estados Unidos, curte cozinhar: no hostel ele aperfeiçoa seus dotes culinários com pratos vegetarianos (fomos até o mar numa “excursão do hostel” para buscar algas marinhas) e estava morando em Cabo Polônio para se dedicar à Agricultura, cultivando Marijuana (…). Michaella era a faz tudo do lugar, super sorridente e simpática e Gaston, o gerente, que também foi super acolhedor conosco. Escolhemos o Hostel Lobo Bar por conta do preço e fizemos a reserva pelo booking, pagando a estadia de dois dias na hora. Conseguimos descansar bem, não passamos nem frio e nem calor e, mesmo sem energia elétrica, dava pra tomar banho, era só acionar o gás.
Ficamos dois dias em CB, confesso que dois longos dias, já que a cidade estava bem parada. Mas descansamos, andamos tudo e nos curtimos e curtimos muito o local. Dizem que eu “atraio cachorros”: dito e feito, aonde ía, algum ou alguns nos seguia, rsrs. E, de ponto turístico mesmo, Cabo Polônio tem o Farol, construído em 1881 e declarado em 1976 como Monumento Histórico Nacional pelo Uruguai. De lá de cima, são 132 degraus e 40 metros de altura para avistar toda a comunidade e toda a praia.

Aproveite seu tempo em Cabo Polônio para relaxar. Se for em temporada, aproveite o mar. Não deixe de provar o Licor de Butia, fruta típica da região, a porção de Buñuelos de Algas (bolinhos fritos feitos com algas verdes) e segure a mão, pois a tranquilidade faz a gente querer comer mais e, ai, gastar mais.

E para sair de Cabo Polônio e continuarmos a nossa jornada, pegamos o 4×4 pouco depois do almoço e chegando  na portaria do parque, compramos passagem para a cidade de San Carlos. Dormimos por lá e na manhã seguinte seguimos para Punta del Este (depoimento para um novo post).

Ah, a noite, não se esqueça da sua lanterna, com bateria extra! Pronto, relaxe, encante-se com a paisagem singular e a simplicidade deste local e aproveite o que de melhor a natureza oferece para todos nós!

Gastos Iniciais com a Viagem de Férias/Mochilão 2016:

PASSAGEM AÉREA IDA E VOLTA
(RJ x Montevideo / Santiago x SP): R$746,00 (Parcelado no Decolar)
SEGURO VIAGEM: R$ 160,00 (
Porto Seguro)
Cotações Encontradas no Uruguai (24/05/2016)
Aeroporto: $ 7,14 Pesos Uruguaios x R$ 50,00 Reais
Terminal Três Cruces: $ 8,00 Pesos  Uruguaios x R$ 400,00 Reais

Despesas individuais em Cabo Polônio (aproximadas):
Bus Aeroporto de Montevideo até Terminal Três Cruces: $ 55 Pesos
Café da Manhã Terminal Três Cruces: $ 100 Pesos
Ônibus Montevideo x Castilhos (Empresa Rutas del Sol): $530 Pesos
Ônibus Castilhos x Cabo Polônio: $ 55 Pesos
4 x 4 Cabo Polônio – ida e volta:  $ 200 Pesos
Hostel Cabo Polônio (2 Noites – Quarto Duplo): $ 30 dólares
Entrada Farol: $ 25Pesos
Licor de Butia, Mercado e Outros: $ 120 Pesos + $ 200 Pesos
Refeições: $ 200 Pesos + $ 150 Pesos + $ 150 Pesos + $ 100
Pesos + $ 100 Pesos = $ 1400 Pesos + U$D10,00
Ônibus Cabo Polônio x San Carlos (Empresa Rutas del Sol): $300 Pesos
GASTOS TOTAIS EM REAIS (+/-): R$ 400,00 Reais



Até a próxima viagem! 😉
 
 
Legal? Acompanhe nas redes e ajude a compartilhar:
20

2 thoughts on “CABO POLÔNIO: Preservação no Uruguai

Deixe uma resposta